EPL – Arsenal 1×1 Tottenham

O Tottenham encarou o Arsenal, neste domingo (06), para o primeiro North London Derby da temporada e ficou em um empate por 1 a 1. Um gol contra de Wimmer abriu o placar para os Gunners e Harry Kane, em cobrança de pênalti, deixou tudo igual no segundo tempo. Com a igualdade, os Spurs seguem invictos na Premier League, passadas 11 partidas, mas não vencem há 7 jogos, contabilizando todas as competições. Com 21 pontos, o time se estabelece no quinto lugar na classificação e impede que o seu grande rival assuma a liderança, mas perde contato com a ponta da tabela, estando há 4 pontos do Chelsea.

Tentando se aproveitar do mau momento e dos desfalques dos Spurs, Arsene Wenger mandou seu Arsenal a campo com Cech; Bellerin, Mustafi, Koscielny, Monreal; Coquelin, Xhaka, Ozil, Walcott, Iwobi; Alexis. Sem poder contar com Alderweireld, Davies, Sissoko, Lamela e Dele Alli, Pochettino contou com o reforço de Harry Kane, que não atuava desde setembro. Sendo assim, promoveu uma mudança tática, usando 3 zagueiros em diversos momentos da partida. Os Spurs entraram em campo com Lloris; Dier, Wimmer, Vertonghen; Walker, Wanyama, Dembele, Rose, Eriksen; Son, Kane.

O Arsenal tentou fazer valer o mando de campo, pressionando desde os primeiros movimentos. Mas o Tottenham se virava bem e controlava a posse de bola. A primeira chance mais clara foi do Tottenham, quando aos 3′ Walker cabeceou por cima. Aos 6′, Wimmer dá uma bela arrepiada em Coquelin e recebe o amarelo. Aos 22′, Kane recebe lindo cruzamento de Eriksen e cabeceia, a bola passa raspando a trave direita de Cech. A velocidade dos Gunners era a grande arma para abrir o marcador, e isso quase aconteceu aos 32′, quando boa trama de Sanchez e Iwobi só parou no goleiro Lloris.

Aos 39 minutos, Walcott recebeu em profundidade e encheu o pé. A bola explodiu na trave e, no rebote, Ozil finalizou por cima, com o gol vazio. Quando o Tottenham parecia ter controlado a pressão, veio o erro fatal. Ozil cobrou a falta na área, Wimmer tentou cortar, mas perdeu o tempo de bola e cabeceou no canto de Lloris, sem chance para o goleiro. Os últimos minutos foram preocupantes, com o time nervoso em campo e parecendo perto de tomar o segundo. Mas Pochettino fez um bom trabalho no intervalo e o time se acertou para a etapa complementar.

Foto: Reprodução/Mirror
Os responsáveis pelo empate: Koscielny, que cometeu pênalti, e Harry Kane, que converteu com precisão (Foto: Reprodução/Mirror)

Logo aos 51′, Dembele avançou pelo meio, gingou na frente de Koscielny e foi derrubado. Pênalti que Kane bateu com tranquilidade, no meio do gol, empatando o clássico. A partir daí, o jogo ficou muito franco e os dois times tiveram ocasiões para marcar. Harry Kane foi travado em cima da hora após belo cruzamento de Rose. Ramsey arrematou de longe e a bola raspou o travessão. Cruzamento de Sanchez foi muito bem salvo por Lloris. Eriksen cobrou a falta com veneno, a bola passou por todo mundo e só parou na trave. Foram lances para mostrar que foi um belo jogo, de dois times que fizeram por onde marcar mais gols.

E os últimos minutos foram excelentes. O Tottenham assumiu uma condição mais defensiva, satisfeito com a igualdade. O Arsenal se indignava mais, mas não conseguia furar o sistema defensivo dos Spurs. Janssen, que entrou na vaga de Kane, poderia ter marcado o gol da vitória em duas ocasiões, mas furou feio em uma ocasião e quando acertou o chute, parou em Cech. O último lance de real perigo do Arsenal foi com Giroud, que fez falta em Wimmer (ignorada por Mark Clattenburg) e cabeceou livre, mas Lloris esteve muito seguro. E assim acabou um belo jogo, que poderia ter pendido para qualquer lado, mas ficou mesmo no 1 a 1. Os jogadores vão agora defender suas seleções na parada para a data Fifa.

NOTAS

LLORIS: Atuação extremamente segura do goleiro e capitão, tanto nas defesas precisas quanto no jogo com os pés, fundamental para a boa fluência do time. NOTA: 8,0

DIER: Ao contrário do jogo contra o Leverkusen, não comprometeu. Ajudou bem na saída de bola, não cometeu falhas individuais e teve atuação muito tranquila, mesmo em um jogo de tamanha pressão. NOTA: 6,0

WIMMER: Talvez tenha sentido a falta de ritmo de jogo, mas não fez uma grande partida. Teve muito trabalho, fez alguns desarmes chave, mas o amarelo tomado nos primeiros minutos e o gol contra derrubam sua avaliação. NOTA: 5,0

VERTONGHEN: Atuação excelente do zagueiro belga, com diversos desarmes importantes, muita segurança e boa saída de bola. Parece estar recuperando os melhores momentos de sua primeira temporada no clube. NOTA: 7,5

WALKER: Sempre uma arma importante no apoio e algumas vezes cometendo erros infantis na defesa. Hoje, entretanto, jogou com muita seriedade e ajudou na produção ofensiva da equipe. Saiu lesionado para a entrada de Trippier. NOTA: 6,5

WANYAMA: Um tanque no meio-campo, muito disposto e trabalhando bem para o time. Distribuiu algumas pegadas mais fortes muito necessárias em um jogo dessa magnitude. NOTA: 6,5

DEMBELE: Teve atuação discreta, o que já é uma grande melhoria se compararmos com as partidas passadas. Foi importante nas transições e essencial para o empate, sofrendo o pênalti que Kane converteria. NOTA: 7,0

ROSE: Brigou demais com o lado direito do adversário, muito forte com Walcott e Bellerín. Ganhou diversas jogadas na frente, serviu muito bem Kane em uma jogada de gol. O melhor lateral esquerdo da Premier League, com sobras. NOTA: 7,0

ERIKSEN: É craque. Infelizmente, não jogo costumeiramente no máximo do seu nível. Hoje teve excelente atuação, como o maestro do time, organizando os ataques e criando pelo menos três chances de gol excepcionais. Será que agora vai? NOTA: 7,5

SON: Muita luta, correria, mas pouca produtividade. Atazanou os zagueiros do Arsenal, mas não conseguiu concluir nenhuma das jogadas individuais que tentou. Parece cada vez mais entrosado com o time e tem futebol para evoluir. NOTA: 6,0

KANE: Apesar da notória falta de ritmo e de passar alguns minutos completamente alheio ao jogo, foi essencial marcando o gol do empate e sempre representava muito perigo. A zaga do Arsenal tem medo de Harry Kane. E justificável. NOTA: 6,5

TRIPPIER: Entrou na vaga de Walker para jogar poucos minutos e não comprometeu. Protagonizou um bom lance já no fim da partida, se infiltrando nas costas da defesa. O árbitro marcou impedimento, equivocadamente. NOTA: 6,0

WINKS: Não foi dessa vez que esse gênio do futebol mundial fez a diferença. Entrou com pouquíssimos minutos, seria injusto atribuir alguma nota. NOTA: S/N

JANSSEN: Não entrou bem, perdeu boas chances de marcar e abusou de errar domínios de bola. Mas se tem algo que ninguém pode falar, é que o holandês não se dedica. Lutou muito, tirou bolas aéreas importantes na defesa. NOTA: 5,5

POCHETTINO: Armou o time de forma interessante com tantos desfalques. Mostrou variação tática, usando 3 zagueiros sem a bola, que se tornava um 4-4-2 com a posse da criança, com Rose subindo de linha e Vertonghen assumindo a ala. Não fez nada de absurdo nas mexidas, tirando Walker lesionado e Kane cansado para colocar substitutos imediatos. Não tinha muitas opções no banco. NOTA: 7,0

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.

Emerson Araujo

Jornalista, aficionado por futebol, torcedor do Cruzeiro (de nascença) e do Tottenham (desde 2005). Orgulhosamente, um dos fundadores da Tottenham Brasil e colaborador do Guerreiro dos Gramados, site voltado a cruzeirenses. Odeia Guardiolismos e acredita que atacante tem que fazer gol. Acredita que todo dia é um 7 a 1 diferente e não há nada de mau nisso. Exímio treinador no Football Manager.

Latest posts by Emerson Araujo (see all)