Mercado de Transferências – Parte 1: O time titular e as saídas

poch-levy

A temporada terminou para o Tottenham. Mas apenas dentro do campo. Agora os holofotes voltam-se aos bastidores do clube, e, principalmente, à enxurrada de notícias, especulações e boatos sobre possíveis transferências da equipe. E o torcedor dos Spurs que achava que ia livrar-se do sofrimento com a equipe por algumas semanas, passa a sofrer ainda mais com o burburinho do mercado de transferências. Não basta a decepção com a derrota de 5 a 1 para o Newcastle na última rodada. Nossa “sofrência” como torcedor lillywhite inclui também ver o rival apresentar o excelente meia central suíço Granit Xhaka e o Shakhtar Donetsk rejeitar uma oferta de 10 milhões de libras do Tottenham pelo meia-atacante brasileiro Marlos.

Mas é também nessa época que cada torcedor da equipe se torna o mais novo e competente manager do futebol mundial. A função do torcedor não é apenas a de torcer e sofrer pelos resultados da equipe dentro do campo. Nós também somos grandes palpiteiros. Somos melhores treinadores que Mauricio Pochettino, pois enxergamos que um jogador X deveria ser titular em detrimento de Y. Somos melhores diretores de futebol que Paul Mitchell pois o jogador Z que foi para o rival, de graça, é muito melhor que o contratado X. A prerrogativa de sugerir, criticar e elogiar é um direito adquirido por emprestarmos nossa paixão à equipe pela qual torcemos.

E é com esta licença de opinar sobre a equipe que começaremos aqui uma série de dois artigos sobre o próximo Mercado de Transferências do Tottenham. Serão dois textos que abordarão o elenco do Tottenham, fazendo uma análise das necessidades e possibilidades para os times titular e reserva, assim como listará um rol de jogadores que podem deixar a equipe e outros que poderiam vir a reforçar de maneira qualificada o elenco do Spurs. No primeiro texto, falaremos sobre o provável time titular da equipe para a próxima temporada e as possíveis saídas de jogadores do elenco, seja por transferência ou empréstimo.

O Time Titular

O 11 inicial ideal da última campanha deve ser o mesmo da próxima temporada. Baseado naquele velho e conhecido ditado “em time que está muito bem, não se mexe”, Mauricio Pochettino deve repetir, para a próxima campanha, o time que mais jogou na última temporada. Um prêmio para aquele alinhamento que apresentou o futebol mais vistoso da Inglaterra na última temporada, que tem a plena confiança do treinador argentino, está entrosado, e quando na sua plenitude, pode desempenhar um futebol competitivo, até em enfrentamentos contra equipes mais badaladas da UEFA Champions League.

Este time titular do Tottenham é uma equipe que nós torcedores aprendemos a gostar e já até sabemos de cor: Lloris; Walker, Alderweireld, Vertonghen, Rose; Dier, Dembélé; Lamela, Alli, Eriksen; Kane. Não há motivo para mexer nesta estrutura. A menos que um destes titulares não comece a temporada na sua plenitude, sem o desempenho da última temporada. E é por conta disso que precisamos de um time reserva com opções mais confiáveis e experientes que na última temporada. A chegada de melhores jogadores para o elenco de apoio é imprescindível para uma campanha melhor que a última. Mas isso é assunto da segunda parte desta série de artigos.

O provável time titular da próxima temporada deve ser o melhor 11 inicial da última campanha. (Foto: Reprodução / FootyFormation.com)
O provável time titular da próxima temporada deve ser o melhor 11 inicial da última campanha. (Foto: Reprodução / FootyFormation.com)

As Saídas

Apesar do elenco do Tottenham ter muito mais carências do que peças sobrando, há alguns jogadores que devem ter suas saídas decretadas por esta janela de transferências. Em sua maioria, jovens de enorme potencial, que tiveram e terão poucas oportunidades no elenco profissional do Spurs, e que necessitam adquirir experiência, com mais minutos de campo. Mas além dos muitos jogadores que devem ser emprestados, há alguns jogadores que devem sair em definitivo, seja por transferência ou fim de contrato. Sem mais delongas, vamos aos nomes destes jogadores.

Tom Carroll: O franzino (lento e fraco) meia-central inglês de 24 anos é o único jogador do Tottenham que tem seu contrato finalizando no término desta temporada. A tendência é de que ele seja dispensado pela equipe (faça sua festa torcedor) e tenha que procurar um novo clube para jogar a próxima temporada.  O Tottenham não tem interesse na sua permanência e o jogador ambiciona jogar mais tempo na próxima temporada. Seu destino deve continuar sendo o futebol britânico: Rangers e Celtics, da Escócia, já demonstraram interesse no jogador. Opinião: dispensá-lo após o fim de contrato.

Federico Fazio: Fazio é um caso à parte em relação aos demais jogadores com contrato para a próxima temporada. O zagueiro argentino, de 29 anos, não deverá mais vestir a camisa do Tottenham, ao contrário de qualquer outro jogador que não venha a ser negociado. O Tottenham pretende vender Fazio e o chairman do clube, Daniel Levy, faz questão de reaver boa parte da quantia que o clube investiu para tirá-lo do Sevilla. Caso não seja vendido, pode ser novamente emprestado (o que acho uma possibilidade remota). De qualquer forma, o jogador terá de ficar treinando em separado até achar um novo clube (como acontecera recentemente com o togolês Adebayor, por exemplo). Opinião: vende-lo para a melhor oferta.

Dominic Ball: O versátil zagueiro (é também meia-defensivo e lateral-direito) inglês/norte-irlandês de apenas 20 anos volta de empréstimo do escocês Rangers, onde foi parte importante da campanha de acesso à primeira divisão da Escócia. Ball fez 30 partidas, 24 delas como titular. É prioritariamente um zagueiro, mas fez 11 partidas como meia-defensivo titular da equipe, mostrando grande versatilidade. Ball é convocado assíduo para as seleções de base, mas de maneira curiosa: defendeu a Irlanda do Norte sub-15, 16, 17 e 19, a Inglaterra sub-19 e 20 e, nesta temporada, decidiu-se definitivamente pela Irlanda do Norte e fora convocado para a seleção sub-21 do país. Em suma, pode vir a ser uma excelente opção no futuro. Opinião: emprestá-lo novamente para adquirir experiência.

Dominic Ball comemorando o título da Petrofac Training Cup 2015-2016: zagueiro firmou-se como titular do Rangers, ajudou no acesso a primeira divisão e virou ídolo da torcida. (Foto: Reprodução / EuroSport)

Grant Ward: O bastante versátil meia-direita (é também lateral, meia-defensivo, meia-central, meia-ofensivo e meia-esquerda) inglês de 21 anos volta de empréstimo do Rotherham United, da segunda divisão inglesa, onde ajudou a equipe a escapar do rebaixamento para a League One nas últimas rodadas. Ward foi titular da equipe na temporada, tendo participado de 43 jogos, sendo 35 como titular. Na grande maioria das vezes foi meia-direita (31 partidas), mas ajudou bastante a equipe com sua versatilidade, não tendo jogado apenas como goleiro, zagueiro e centroavante. Apesar de não ser um jogador de grande qualidade e potencial, sua versatilidade pode ajudá-lo a achar espaço na equipe do Tottenham futuramente. Opinião: emprestá-lo novamente, só que desta vez para uma equipe melhor, até da própria Premier League.

DeAndre Yedlin: O lateral-direito norte-americano de 22 anos fez uma boa temporada pelo Sunderland, na primeira divisão inglesa, ajudando sua equipe a escapar do rebaixamento. Yedlin começou sem espaço, alternou entre a titularidade e o banco, mas a partir de fevereiro tornou-se o titular absoluto e dono da lateral-direita do Sunderland, tornando-se peça importante na recuperação da equipe na segunda parte do campeonato. Jogou 25 partidas, 23 como titular. Seu estilo de jogo lembra bastante a do titular do Tottenham, Walker, pela grande velocidade e explosão. Deve participar da pré-temporada do Tottenham. No entanto, dificilmente terá chances, dada a temporada magnífica de Kyle Walker, um dos melhores da posição na Europa, e a afirmação de Kieran Trippier, como confiável opção do elenco. Opinião: emprestá-lo novamente para uma equipe da Premier League.

Yedlin impressionou no Sunderland e fez ótima temporada. Mas com a concorrência de Walker e Trippier, deverá ser novamente emprestado. (Foto: Reprodução / Bleacher Report)

Harry Winks: O meia-central inglês, de 20 anos, grande promessa da base do Tottenham, jogou apenas duas partidas pelo profissional nesta temporada, totalizando menos de 20 minutos. E por conta de fazer parte dos treinamentos do time profissional, também fez pouquíssimas partidas (9) pelo time sub-21. Carece de experiência competitiva e minutos no profissional. Jogador de grande futuro. Opinião: emprestá-lo para uma equipe em que tenha bastantes oportunidades para adquirir experiência de jogo.

Josh Onomah: O meia-atacante inglês, de 19 anos, recém-completados, e outra enorme promessa da base do Tottenham, teve algumas oportunidades na temporada e atuou em 19 partidas pela equipe profissional, 4 vezes como titular. Mas não se engane, excetuando-se o confronto contra o Newcastle na última rodada, onde entrou no intervalo, Onomah atuou, em média, durante 8 minutos nas demais 14 partidas. Ou seja, apesar dos muitos jogos, teve poucas oportunidades de realmente expor seu futebol. Mesmo assim, já mostrou que deverá ser um grande jogador no futuro. Opinião: da mesma forma que Winks, emprestá-lo para adquirir maior experiência de jogo.

Nabil Bentaleb: Provavelmente a maior decepção do Tottenham na temporada, o meia-central argelino, de 21 anos, tem o futuro incerto na equipe. Já há, inclusive, alguns fortes boatos de que possa ser vendido para alguma equipe francesa (em geral, o Paris Saint-Germain). Mas apesar do desempenho bem abaixo do esperado na última campanha, Bentaleb já mostrou bastante potencial com a camisa do Tottenham, sendo importante titular na temporada 2014-2015. Além disso, sofreu bastante com lesões na última época e é bastante atrapalhado por seu agente e sua vaidade, tratando-o como um craque mundial que ainda está longe de ser. Opinião: emprestá-lo para uma equipe da Inglaterra, em que possa ser titular e adquirir experiência competitiva na liga.

Outras especulações: Já há grandes burburinhos no mercado de transferências sobre as saídas do meia-central Ryan Mason, dos wingers Heung-Min Son e Nacer Chadli e do meia-ofensivo Alex Pritchard. No entanto, estes quatro jogadores têm boa qualidade e podem ser importantes em um elenco que necessita ser mais encorpado, já que vai enfrentar um calendário bastante cheio na próxima temporada. Opinião: manter estes jogadores.

Depois de apenas uma temporada na equipe, será mesmo que Son deixará o Tottenham? (Foto: Reprodução / Mirror)

Enquanto a segunda parte deste especial de Mercado de Transferências, que abordará as contratações da equipe e a finalização do elenco, não é publicada, responda às seguintes perguntas: você, torcedor, está satisfeito com o time titular atual do Tottenham? Qual a posição do 11 inicial você acha que necessitaria ser melhor reforçada? Quem você acha que deveria deixar a equipe nesta janela de transferências? Ponha-se no lugar do Pochettino, opine, discuta, critique, sugira. Somos torcedores e estamos exercendo o nosso direito como apaixonado pelo clube.  Mas, sobretudo, torça por mudanças positivas.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.

Fábio Malet

Gaúcho de Porto Alegre, bacharel em Ciência da Computação e analista de sistemas. Apaixonado por esportes, tem o jornalismo como um hobby, e, pretende, futuramente, fazer pós-graduação na área. Acompanha o Tottenham desde o começo da temporada 2002-03, por causa de Robbie Keane, do qual tornou-se fã pelo seu desempenho na Copa do Mundo 2002. No Brasil, torce para o Grêmio desde suas primeiras palavras.