O amargo terceiro lugar

Depois de um longo inverno, esta coluna está de volta. Queria eu que fosse para ressaltar a brilhante temporada que o Tottenham fez em termos de resultados finais. De certa forma, o objetivo inicial da equipe foi alcançado, isto é, classificar-se para a próxima UEFA Champions League. Optei por escrever esse texto justamente logo após a rodada final da Premier League, com a cabeça fervilhando, cheia de “desgraçamento” (ARAUJO, Emerson. 2016).

Nunca senti tanta raiva do Tottenham na minha vida como no jogo de hoje. O cenário era propício para garantir a vice-colocação no campeonato, que ocupamos por muito tempo nesta temporada. Jogamos fora as Copas, nossos times reservas fizeram feio nesses torneios eliminatórios, mas como nos garantiram um lugar no paraíso, lugar que julgo de suposta existência, parecia estar tudo certo. ARRE! O QUE FOI ESSE JOGO DE HOJE?!

O St. James’ Park recebia bom público, nesta rodada final da EPL, mesmo com o rebaixamento do Newcastle já estando definido. O futebol não é uma caixinha de surpresas, não mais. Tudo o que tinha para acontecer já aconteceu e isso deveria fazer como que todas as equipes entrassem concentradas para qualquer jogo que fossem disputar. O Tottenham quis brincar com o próprio espaço aleatório do esporte com o qual não costuma se dar bem há um tempo. Cheio de desdém, adentrou o certame do estádio do adversário. A soberba estava visível nos olhos da maioria dos jogadores, nem parecia que estávamos há quatro jogos sem vencer, desfalcados das duas principais peças do nosso meio campo: Dele Alli e Mousa Dembélé.

A dedada no olho de Diego Costa custou 6 jogos de suspensão a Dembélé - Foto: The Sun
A dedada no olho de Diego Costa custou 6 jogos de suspensão a Dembélé – Foto: The Sun

Eu não vou discorrer, aqui, os detalhes do jogo. O pós-jogo já contempla tudo isso. O resultado, no entanto, precisa ser dito: Newcastle 5, Tottenham 1. Parei por 2 minutos após escrever esse resultado. Ainda estou incrédulo, mas aconteceu. CINCO A UM. Mesmo com Aleksandr Mitrovic sendo expulso e desfalcando os Magpies no meio da partida quando ainda estava 2 a 1 para os anfitriões, o Newcastle engoliu o Tottenham. Do começo ao fim. O gol de Lamela serviu só para nos dar uma falsa esperança de que poderíamos conseguir, ao menos, um empate. Nem isso… nem ao menos isso… O prêmio final!? Caímos para terceiro lugar na tabela de classificação, já que o Arsenal venceu seu jogo diante do Aston Villa sem problemas.

O incidente de Alli com Yacob custou 3 partidas de suspensão ao meio-campista - Foto: The Metro.
O incidente de Alli com Yacob custou 3 partidas de suspensão ao meio-campista – Foto: The Metro

Isso decretou o St. Totteringham’s Day mais tardio e doloroso dos últimos campeonatos. Eu odeio essa expressão, mas depois de uma derrota tão vergonhosa não há muito o que se discutir. A queda de rendimento e o desinteresse mostrado nas últimas partidas foi fatal. Não consigo salvar qualquer jogador dos desempenhos patéticos. Talvez Eric Dier tenha uma parcela menor de culpa, já que é muito difícil ter Ryan Mason e Tom Carroll como parceiros na volância em vez de Dembélé.

Hugo Lloris, que falhou contra o Southampton, embora não tenha tido culpa na maior parte dos gols da partida de hoje, também não foi brilhante. Harry Kane não conseguiu se encontrar com as redes. A dupla de zaga belga bateu cabeça – não entendi até hoje o Wimmer sair do time titular só para Vertonghen, recém recuperado de lesão, voltar -, o trio de meias pouco produziu, com Lamela sendo o menos preguiçoso na criação de jogadas. Os laterais, ponto fortíssimo do time em 2015/16, não conseguiram se destacar, com Ben Davies, inclusive, tendo oportunidade, na partida de hoje, no lugar de Danny Rose.

Bastou o elenco ser exigido que tudo se sucumbiu. Perdoai-me leitores, mas preciso defender os dirigentes do clube. Daniel Levy, juntamento com seu staff do departamento de futebol, fez sondagens e propôs a Mauricio Pochettino a contratação de um ou outro jogador para encorpar o time. Sabia-se que a temporada era longa e que o elenco seria exigido. Em termos mais simples, Pochettino respondeu algo como “Pff! Estou fechado com esse pessoal aqui!”. Achou que aqueles 21 jogadores, somados a um ou outro garoto da base, seriam suficientes para nos conduzir a glória. Ah… Poch… Errou. Errou feio, errou feio, errou rude! (Créditos ao Porta dos Fundos).

A equipe demonstrou não ter força fora de uma formação de 11 titulares muito sólida e que todos conhecem: Lloris; Walker, Alderweireld, Wimmer, Rose; Dier, Dembélé, Eriksen, Lamela, Alli; Kane. Coloco Kevin Wimmer, aí, pois julgo que seu desempenho fora melhor que o de Jan Vertonghen, assumindo a condição de titular com maestria quando fora exigido. No entanto, parece que só Wimmer é que foi uma opção confiável vinda do banco. Eu não consigo acreditar que Ryan Mason e Tom Carroll sejam jogadores profissionais. Não consigo vê-los atuando como titulares em qualquer grande liga da Europa. Os dois estão na minha lista de piores meio-campistas que já vi jogar, e o Leandro Guerreiro não está nessa lista.

Eu já vi derrotas mais emblemáticas do Tottenham, mas nunca uma que me doeu tanto como essa na minha recente vida de torcedor dos Spurs (desde 2008). Claro que há muitos pontos positivos na campanha, com o principal deles sendo o futebol jogado (ATÉ ESSAS QUATRO ÚLTIMAS RODADAS). Estamos na UEFA Champions League, oras! Só que está claro que há muito trabalho a ser feito para a próxima temporada. Gosto da maneira como o staff de Mauricio Pochettino tem lidado com a formação do elenco, tendo auxílio do departamento de futebol e de recrutamento e acho que esse processo tem que continuar. Precisamos revitalizar alguns setores. Com mais seriedade, chutando essa soberba que costuma surgir em determinados momentos da temporada e trabalhando firme, poderemos tirar esse gosto amargo da boca.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.

Lucas Colenghi

Mineiro de Uberaba, no Triângulo Mineiro, graduando em Licenciatura em Letras com Habilitação em Português e Inglês. Tenho 21 anos e as duas coisas que eu mais odeio no mundo são: 1- acordar cedo; 2- escanteio curto. Gostar de futebol é legal até você resolver torcer para um time: com o Tottenham não é diferente.

Latest posts by Lucas Colenghi (see all)

  • Leandro

    Time medíocre. Disse isso a temporada toda para todos os meus amigos que achavam que o time ia “ganhar” a Premier. Nunca acreditei nesse elenco. Precisa contratar jogadores melhores. Tudo bem que durante a temporada foi melhor ataque, melhor defesa, que só perdia por 1 gol de diferença mas isso não leva a lugar nenhum com jogos pífios que teve durante toda a temporada. Gosto muito do Tottenham mas não me iludo com o que a imprensa fala. Pra mim só fica Kane, Eriksen e Loris. O resto nem banco serve.

  • Fernando C.

    Foi dificil nao pensar em outra coisa ontem. Mas de cabeça fria, temos de comemorar esta temporada. Foi o melhor time que tivemos, muito acima daquele que nos levou à UCL. Deixamos de lado o estigma de tremer nos jogos contra times A, perdendo apenas na estreia para o United.

    As meninas nos passaram e estamos putos com isso, mas estaremos na Champions como há 5 anos.
    Olhe para o time azul, rico e sem tradição da cidade. A alegria deles foi empatar com o Tottenham em casa. Ficarão deitados em berço esplendido, enquanto nós estaremos de olhos arregalados vendo a UCL.

    #COYS