Tottenham, um celeiro de jovens destaques britânicos

No final do mês de abril, Alli foi anunciado como vencedor do prêmio de melhor jogador jovem (destaque que possua menos de 23 anos ao final do campeonato) da Premier League na temporada 2015-16. Premiado pelo ótimo desempenho na Liga Inglesa, em uma curta e meteórica carreira, Alli junta-se a alguns jogadores históricos que já receberam essa honraria quando surgiram no futebol profissional, como Paul Gascoigne, Ryan Giggs, David Beckham, Steven Gerrard, Wayne Rooney, Cristiano Ronaldo, entre outros.

Alli tornou-se também o quinto jogador do Tottenham a receber esta condecoração, o quarto nos últimos cinco anos. Todos eles britânicos de nascimento e representantes de suas respectivas seleções nacionais. O lateral-direito Kyle Walker foi o vencedor na temporada 2011-12, o winger pela esquerda Gareth Bale venceu na temporada 2012-13 e o atacante Harry Kane recebeu esta honraria na última temporada, 2014-15. Além deles, Glenn Hoddle já havia conquistando esta premiação na temporada 1979-80.

Alli foi o vencedor do prêmio de jovem jogador da Premier League em 2015-16. (Foto: Reprodução/SkySports)
Alli foi o vencedor do prêmio de jovem jogador da Premier League em 2015-16. (Foto: Reprodução/SkySports)

O Tottenham ter conquistado tantos prêmios com jovens jogadores nos últimos anos não é coincidência e nem é por acaso. Historicamente, a equipe do Spurs sempre foi conhecida por apostar bastante em jogadores formados em suas categorias de base, em sua grande maioria britânicos. Além disso, sua rede de olheiros para jogadores jovens também sempre foi bastante eficiente. Até por isso, o Tottenham é a equipe que mais cedeu jogadores para a seleção inglesa na história, com 76 jogadores.

Só que esta prática ficou ainda mais em evidência desde a chegada do diretor executivo do Tottenham, Daniel Levy, no início deste século. Formado com honras em economia pela Universidade de Cambridge, Levy comandou uma grande reestruturação no clube, principalmente financeira. Para tanto, cortou alguns investimentos da equipe principal e investiu pesado em infraestrutura do clube e das categorias de base, além de ampliar a rede de olheiros da equipe. E o clube vem colhendo bastantes frutos com isso, passada mais de uma década da chegada de Levy.

Sob o comando de Daniel Levy, o Tottenham tornou-se o verdadeiro celeiro de jovens destaques britânicos. Nesta temporada, o Tottenham é a equipe com a menor média de idade da Premier League, com 24,7 anos, a frente de equipes como Liverpool (25,5) e Newcastle (25,6). Além disso, o Tottenham é a terceira equipe da Premier League com mais jogadores britânicos no elenco profissional, com 11, atrás de Crystal Palace (17) e Bournemouth (18).

Com isto, o Tottenham vem ajudando as seleções britânicas, principalmente a seleção inglesa. Durante a temporada 2015-16, o Tottenham teve sete jogadores convocados para o English Team: Kyle Walker, Danny Rose, Eric Dier, Dele Alli, Harry Kane, Ryan Mason e o atual jogador do Newcastle, Andros Townsend. Quatro deles foram titulares no penúltimo amistoso da seleção inglesa, contra a Alemanha (Rose, Dier, Alli e Kane), formando a espinha-dorsal da equipe que se prepara para a Eurocopa 2016. E um detalhe ainda mais impressionante: todos estes sete jogadores tem 25 ou menos anos de idade. Além deles, o lateral-esquerdo Ben Davies é titular absoluto da seleção de País de Gales que vive bom momento e pode surpreender na próxima Euro.

E isso não se resume apenas à situação atual da seleção inglesa. O Tottenham costuma ceder muitos jogadores para o English Team em Copas do Mundo. Excetuando-se o fiasco dado pela Inglaterra na Copa do Mundo do Brasil em 2014, o Tottenham foi a equipe que mais cedeu jogadores para a seleção inglesa nas duas Copas do Mundo anteriores. Na Copa da África do Sul, em 2010, o Tottenham cedeu cinco jogadores ao English Team, a frente de equipes como o Chelsea, que cedeu quatro de seus jogadores. Já na Copa do Mundo da Alemanha, em 2006, o Tottenham cedeu quatro jogadores, a frente de Manchester United, Arsenal, Chelsea e Liverpool, todos com três jogadores.

Apesar das inúmeras especulações com jogadores estrangeiros que surgem a cada semana da temporada, e a cada hora durante as janelas de transferências, Daniel Levy continua firme em sua filosofia de desenvolver os jovens britânicos e apostar em destaques da terra da Rainha. Na única temporada em que saiu radicalmente desta sua filosofia, o fracasso foi retumbante. O pacotão de jogadores comprados com o dinheiro da venda de Gareth Bale para o Real Madrid foi um verdadeiro desastre, incluindo fiascos aterradores como Soldado e Paulinho. Nas janelas de transferências posteriores, Levy redimiu-se deste insucesso e apostou forte na sua receita de sucesso e trouxe ótimos jogadores britânicos como Ben Davies e Kieran Trippier, e ótimos jovens de grande potencial como Eric Dier e Dele Alli. Portanto, daqui para frente, a expectativa é de que Levy continue com esta estratégia e aposte ainda mais em seu celeiro de jovens destaques britânicos.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.

Fábio Malet

Gaúcho de Porto Alegre, bacharel em Ciência da Computação e analista de sistemas. Apaixonado por esportes, tem o jornalismo como um hobby, e, pretende, futuramente, fazer pós-graduação na área. Acompanha o Tottenham desde o começo da temporada 2002-03, por causa de Robbie Keane, do qual tornou-se fã pelo seu desempenho na Copa do Mundo 2002. No Brasil, torce para o Grêmio desde suas primeiras palavras.

Latest posts by Fábio Malet (see all)