Quando a frustração sobrepõe a razão

Todo torcedor de futebol é um Romântico por natureza. Não, caro leitor, não estou insinuando que você é do tipo que manda flores, embora talvez isso pudesse lhe ajudar em alguma ou outra situação da vida. No Romantismo, os escritores se debatiam com um conflito constante em seu fazer literário e, provavelmente, aquilo que melhor simboliza isso é a estética dual.

O dualismo advém desde Maniqueu, profeta iraniano, que defendia que o mundo era dividido em dois extremos: o bem e o mal. Os românticos evoluíram essa ideia de “certo e errado” e posso dizer que ela se aplica muito bem no mundo do futebol. Ou vocês vão me dizer que a emoção, a frustração de uma (ou no caso do Tottenham, várias) partida, nunca os impediu de fazer uma análise mais fria, racional, sobre aquilo que acontece com seu time?

Maniqueu foi um os grandes filósofos orientais - Foto: Dicionario de Português
Maniqueu foi um os grandes filósofos orientais – Foto: Dicionario de Português

Feito este preâmbulo, paciente leitor, chegarei no que isso se aplica, especificamente, no nosso Tottenham. Arre! Que time sem vergonha… São quatro partidas nessa presente temporada e nenhuma vitória. Que porcaria, não!? Mauricio Pochettino parecia o treineiro certo: teria uma temporada para se ambientar no clube e planejar a temporada seguinte, com Paul Mitchell, para trazer jogadores que se encaixariam perfeitamente em sua irritante filosofia de jogo.

Antes do início desta nova época futebolística, as notícias eram promissoras: vendemos uma barca de jogadores que poucos queriam ver defendendo nossa camisa, como Younes Kaboul, Paulinho, Vlad Chiriches, Roberto Soldado (diabo que voltou a fazer gol na ensolarada Espanha), entre outros. Trouxemos boas peças para nossa defesa, que parecia ser nosso grande problema no time: Toby Alderweireld, Kevin Wimmer e Kieran Trippier. Porém… o extra-campo não tem sido refletido entre as quatro linhas.

Já nos jogos de preparação, nosso cenário começou a se desenhar com um ar sombrio… Harry Kane e Alex Pritchard não participaram no início da pré-temporada, por causa da Eurocopa da categoria sub-21. O winger, inclusive, sofreu uma lesão que só o permitiu a estrear pelo time principal neste empate contra o Everton. Kane me parece “estrupiado”, – desculpa-me, leitor, pelo termo utilizado, mas acho que se encaixa bem – com reais dificuldades de desempenhar o futebol que tanto nos animou na temporada passada. A quem acha que a pré-temporada não faz falta, tente entender o porquê de, no Brasil, o Bom Senso FC lutar por um calendário melhor para o futebol daqui, com menos datas e pré-temporada à vera, mas isso é só um adendo.

Sem nosso melhor centroavante em condições físicas ideais e com Emmanuel Adebayor, unanimidade há duas temporadas, afastado do elenco, Mauricio Pochettino se vê em uma sinuca de bico, em que não tem coragem para apostar em nomes da base como Shaq Coulthirst ou mesmo Josh Onomah, que poderia mudar a configuração do ataque.

Também tá frustrado, né, Poch!? - Foto: Daily Mail
Também tá frustrado, né, Poch!? – Foto: Daily Mail

Tá, tá, tá… “Colenghi, onde é que tá a frustração, então!?” Pois é, meus caros, ela está no meio de nós. – nenhuma intenção de intertextualidade com a Bíblia.

Nosso time perdeu muito de seu poder de decisão. Veja bem: Não é que o time não cria, aliás, tem capacidade de criar muito, mas sabe aquilo que Carlos Alberto Parreira já definiu como detalhe no futebol? Sim, aquele mesmo, o tal do GOL? Ele não tem ocorrido proporcionalmente às chances criadas. A equipe tem tido muitas dificuldades na hora de finalizar as jogadas, parecendo até que Roberto Soldado continua na equipe. E aí, já bateu a frustração!? Em mim sim… e não é de hoje.

Caramba… que raios de time… quando o problema não é tanto no ataque, é na defesa, quando conserta a defesa, o ataque dá um jeito de não funcionar. Sabe aquele primeiro volante que parecia nos fazer tanta falta? Eric Dier tem jogado muito ali, não é!? Isso nos leva, portanto, aos responsáveis por estarmos em situação tão nervosa na temporada: os meias. Wingers que cadenciam o jogo, volantes nas pontas, um meio, algumas vezes, sonolento, sem velocidade. Isso nos dá a posse de bola, mas nos tira incisão, nos deixa previsíveis por diversas oportunidades no jogo.

Wingers sem velocidade de novo! - Foto: Daily Mail
Wingers sem velocidade de novo! – Foto: Daily Mail

Foi assim que cedemos o empate ao Stoke City: faltou a força ofensiva tão bem apresentada no primeiro tempo, acuando todo nosso time para a defesa, sem ambições no jogo. Porém, no primeiro tempo era possível ter matado o jogo, com Jack Butland fazendo incontáveis defesas. Contra o Leicester City foi diferente: chegávamos próximos da área adversária, mas as jogadas não se encaixavam, exceto quando Kane recuava para armar o time… é um faz tudo mesmo. Ontem… ontem, sim, foi o retrato da frustração, também conhecida como Tim Howard, mas que nem sempre recebe esta alcunha.

O Celso Roth argentino montou um time, em tese, com quatro volantes: Dier e Bentaleb fazendo a dupla do 4-2-3-1 do nosso nem tão estimado treinador, Mason na armação das jogadas e Dembélé na ponta direita. Não corremos riscos na partida, a defesa foi perfeita, como muito antes não via no Tottenham, mas o que diabos nossos jogadores tem contra mandar a bola pro fundo das redes? A melhor chance do jogo foi em lançamento de Mason para Kane: o atacante caminhou sozinho por todo o campo de defesa do Everton, com todo o espaço do mundo, mandou justamente naquele que estava ocupado: a área de alcance de Tim Howard. Quando não era o goleiro norte-americano, que esteve presente nos sonhos de Ryan Mason, havia um pé de um defensor dos Toffees ali para atrapalhar nossos planos.

“Fora Poch! Filosofia de c* é ro**! 4-2-3-1 é o caral***!” Entendo todos esses pensamentos, mas não sei se não estamos sendo precipitados. A teimosia de Pochettino com um esquema que não tem funcionado é evidente, sua dificuldade sobre o que fazer com a substituições a que tem direito é questionável, a maneira com que ele tratou Adebayor e, principalmente, Lennon foi extremamente desrespeitosa… mas, uma demissão seria o caminho!?

Vocês tão com saudades de mim? - Foto: Daily Express
Vocês tão com saudades de mim? – Foto: Daily Express

As peças que foram contratadas para fazer a diferença no ataque ainda não estrearam. N’Jie ainda está aprimorando a força física e Son precisa conseguir seu visto de trabalho. Além disso, há algumas especulações envolvendo nomes que podem nos ajudar muito neste mesmo quesito, como Yannick Bolasie, Saido Berahino e, até mesmo, Alexandre Pato.

Daniel Levy prometeu dar estabilidade a Mauricio, fornecer o suporte necessário para que o treinador implantasse seu estilo futebolístico no clube. O início não é o ideal, mas a temporada é longa, mais competições acontecerão e demitir um treinador com a temporada em curso, recentemente, não nos trouxe resultados imediatos, que é a única coisa que a torcida tem pensado no momento. Portanto, pessoal, sejamos racionais! Não sou o maior “Pochetinista” desse mundo, mas ainda não creio que sua presença seja insustentável.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.

Lucas Colenghi

Mineiro de Uberaba (no Triângulo Mineiro). Licenciado em Letras com Habilitação em Português e Inglês pela UFTM. Tenho 22 anos e as duas coisas que eu mais odeio no mundo são: 1- acordar cedo; 2- escanteio curto. Gostar de futebol é legal até você resolver torcer para um time: com o Tottenham não é diferente.
  • wagner

    Olhando de forma simples: Se ficar abaixo do que ficou na temporada passada, agora que teve contratações, Levy o mandará passear. De resto, vai ser assim até o fim da temporada.

  • Rafael Araújo

    Frustração faz parte de ser torcedor do Tottenham a anos, batemos na porta da UCL só pra entregar a vaga ao nosso maior rival, na temporada em que vamos finalmente a UCL fazemos uma campanha pífia digna de time pequeno. Quanto ao texto concordo com o fato de dar tempo ao Pochettino (E tenho que admitir que Celso Roth Argentino foi muito bem colocado), se ele entender que precisa dividir as responsabilidades do elenco e não colocar tudo no Kane que luta, corre, divide, arma e finaliza o jogo todo. Talvez mudar de formação quem sabe um 4-3-3 com Son na ponta esquerda, Kane no centro e N’jie de ponta direita? Quem sabe o bom e tradicional 4-4-2 com mais um meia de criação pra ajudar o Eriksen? Opções nos temos, mas no final só nos resta torcer…

    • Vinícius

      Só uma observação: não fizemos uma UCL tão ruim assim, ganhamos da inter, então o atual campeão, nos classificamos em primeiro do grupo, ganhamos do Milan no san siro (na época o Milan ainda não tava tão ruim como está hoje), o problema é que tivemos o azar de pegar o Real Madrid nas quartas, mas poderíamos ter ido pelo menos pra a semi final. Mas é aquele negocio time que quer ser campeão não escolhe adversário.

  • Heduardo

    1.- Acho que André Villas-Boas merecia uma nova chance na equipe. Acredito que amadureceu de forma que, não seja tão prepotente, como foi no passado. Ignorando jogadores importantes, acreditando que faria mágica. O clima ficou pesado no banco de reservas. Ele mesmo disse que foi muito prepotente quanto à sua passagem na equipe londrina. Ele é um grande estrategista e se souber administrar seu ego com sua competência seria um grande técnico, assim como foi no Porto.

    2.- Marcelo Bielsa. Acredito que seria a melhor opção para o Tottenham. Excelente técnico! Desfruta de toda tecnologia possível à sua disposição para administrar uma equipe. Um mestre tático. Tira o melhor dos jogadores. Melhor técnico. UM VERDADEIRO GÊNIO DO FUTEBOL.