TB Perfis – Nayim

Nayim foi um meio campista espanhol formado nas categorias de base do Barcelona, a badalada La Masia. Atualmente uma referência pela formação de jogadores com um estilo de muita técnica e boa doutrina de bola, os talentos não começaram a aparecer por lá na recente geração ‘Xaviniesta’. Um jogador extremamente ‘lado B’ da bola merecerá as homenagens no momento. Pouco conhecido dos atuais adeptos dos Spurs, mas que atuou por cinco temporadas com nossa camisa, ganhou títulos e protagonizou alguns episódios memoráveis. Nayim é o biografado da semana na série Tottenham Brasil – Perfis.

Começando os trabalhos

Nayim, como se pode imaginar, é um apelido. Seu nome de batismo é Mohammed Ali Amar, nasceu na cidade espanhola de Ceuta, no dia 5 de novembro de 1966. Descendente de marroquinos, o jovem mostrou desde cedo suas intenções por seguir a carreira de jogador de futebol. Jogando no time da cidade, chamou a atenção de olheiros que o levaram para a base do Barcelona, quando ainda tinha 12 anos. Manteve-se no clube catalão até subir ao elenco do Barça B, com 18. Fez parte de todas as seleções espanholas de base, sendo vice-campeão do Mundial Sub-20 em 1985, perdendo a final para o Brasil.

O sonho catalão

Qualquer garoto que faz vários anos na base de um grande clube, passa pelo time B e finalmente sobe aos profissionais tem o sonho de jogar com o time de cima, naturalmente. Nayim teve sua primeira oportunidade durante a temporada 1985/86, na já extinta Copa da Liga Espanhola. No dia 18/05/1986 o Barcelona encarou o Real Madrid pelas oitavas de final da competição. Ambos os times atuaram inteiramente com reservas, visto que o torneio marcava o fim de temporada e coincidia com os momentos mais decisivos das grandes competições. O jogo, no Santiago Bernabéu, terminou com uma incrível goleada por 4×0 para o Barça. Nayim começou no banco e entrou aos 14 da etapa complementar.

Jogou mais cinco vezes na temporada e fez parte do elenco campeão da Copa da Liga, após vitória sobre o Real Betis por 2×0. Animado com suas perspectivas no time na temporada seguinte, sofreu um baque com sua parca utilização: apenas três jogos na liga, um deles como titular. Em 1987/88, saiu de vez do elenco do Barcelona B para o time principal, mas raramente tinha oportunidades de jogo com o treinador Luís Aragonés. Fez parte do plantel campeão da Copa do Rei em 1987/88, seu segundo troféu como profissional. Foi então que seu destino se cruzou com os Spurs.

Desbravando Londres

Insatisfeito com a pouca utilização, Nayim queria jogar regularmente. Afinal, em três temporadas já atuando pelo Barça, foram apenas 14 jogos disputados. Terry Venables, então treinador dos Spurs e que fora responsável por sua promoção aos profissionais na Espanha, entrou em contato e fez o convite. Os clubes negociaram e Nayim concluiu sua transferência para o norte de Londres por 400 mil libras. Chegaria para disputar posição com o quinteto de Paul’s: Moran, Walsh, Stewart e os mais famosos, Allen e Gascoigne.

Sua adaptação foi prejudicada por uma lesão e a primeira entrada em campo foi apenas em 1989, no dia 20 de fevereiro. A partir daí, conseguiu emendar uma boa sequência de partidas e terminaria sua primeira época em White Hart Lane com 11 jogos e 2 gols, marcados frente a Southampton e West Ham. Seu estilo de jogo muito técnico e de toque de bola casou bem com o momento do clube, que tinha jogadores de grande talento. Se tornou titular absoluto no decorrer da temporada 89/90, onde voltou a jogar junto do recém chegado Gary Lineker, companheiro que já conhecia dos tempos de Barcelona.

Uma época para se lembrar

A sua terceira temporada foi maravilhosa. Jogando regularmente entre os 11, seu rendimento subiu e era responsável por dar o toque de cadência e distribuição de jogo que o time precisava. Se Gascoigne era a intensidade, a chegada ao ataque e a movimentação, Nayim era o ponto de equilíbrio. Desarmava, passava, sempre com extrema sobriedade. Seus chutes de longa distância também se mostraram uma arma letal, sendo responsável por seis gols. Atuou 38 vezes na época, apenas 3 como suplente. Na final da FA Cup, iniciou entre os reservas mas foi chamado à ação logo aos 17 minutos de jogo, para render o lesionado Gascoigne. E teve bela atuação no triunfo sobre o Nottingham Forest por 2×1, que nos rendeu a taça.

Conquistou também o título da Community Shield, a Supertaça Inglesa. O jogo, disputado entre Tottenham e Arsenal, terminou empatado em 0x0 e segundo as antigas regras do torneio, os dois times eram declarados campeões. Manteve-se como um titular importante da equipe em 1991/92, jogando 40 vezes na temporada mas esteve longe de ser brilhante, assim como todo o time que oscilou muito na temporada, terminando em 15º na Premier League. Na temporada 92/93, seguiu como um jogador importante mas jogando com menor frequência, especialmente após a saída de Terry Venables, rendido por Doug Livermore. Marcou nessa temporada seu único hat-trick da carreira, numa vitória sobre o Manchester City por 4×2, fora de casa, pelas quartas de final da FA Cup.

Mudando os rumos

Insatisfeito com o comando técnico e buscando uma guinada na carreira, Nayim foi negociado pelo Tottenham em maio de 1993. Tendo atuado em um total de 144 jogos e marcado 18 gols pelos Spurs, era dado o ponto final de sua trajetória no clube, com um título da FA Cup e um da Community Shield. Seu destino foi o Zaragoza, da Espanha, que o adquiriu por 500 mil libras. A Juventus também estava interessada no futebol do meio-campista, mas ele preferiu assinar um contrato financeiramente menos vantajoso para retornar a seu país.

Zaragozeando

Chegou com status de estrela ao clube espanhol e formou meio-campo de sucesso com um jogador cuja história se cruzaria com os Spurs pouco depois, o uruguaio Gus Poyet. Participou de ótimos esquadrões do clube na década de 90, conquistando a Copa do Rei na temporada 93/94, atuando os 120 minutos da decisão contra o Celta de Vigo, que acabaria sendo decidida nos pênaltis.

 

Uma vez Spurs, sempre Spurs

Mas o grande momento de sua trajetória foi realmente na época seguinte. Com a base do time mantida, o Zaragoza conquistou a Recopa Européia, competição de importância semelhante a atual Liga Europa. Pela frente, o Arsenal, eterno rival dos Spurs. Juan Esnáider marcou para os espanhois, John Hartson empatou para os Gunners. E no último minuto da prorrogação, Nayim marcou o gol do título do Zaragoza no chute que você confere no vídeo abaixo. Sério, olha esse vídeo. Não deixa de assistir não, é espetacular. O goleirão bigodudo é o David Seaman, aquele mesmo que tomaria um gol de cobertura do Ronaldinho Gaúcho na Copa de 2002.

Últimos passos na carreira

 Já como um veterano, seguiu no Zaragoza até 1997, quando seu contrato chegou ao fim. Foi parar no Longroñes, então um clube da segunda divisão. No clube, ficaria durante três temporadas, tendo destaque nas duas primeiras e, na terceira disputando apenas quatro partidas. Acabou se aposentando após esta temporada, aos 33 anos, em 2000. Após isso, Nayim retornaria ao futebol apenas nove anos depois, quando assumiu como assistente técnico de seu ex-companheiro de Zaragoza, José Aurélio Gay. A empreitada durou apenas uma temporada.

 

Não existem registros de um possível desejo de Nayim em retornar ao futebol. Fato é que seu estilo de jogo foi fundamental para o sucesso dos Spurs em um momento importante do clube. Agradecimentos a ele pelos serviços prestados e segue nossa intenção de contar histórias de jogadores marcantes dos Spurs, independentemente de quão famosos sejam atualmente. Até a próxima semana e esteja a vontade para sugerir o próximo perfilado.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.

Emerson Araujo

Jornalista, aficionado por futebol, torcedor do Cruzeiro (de nascença) e do Tottenham (desde 2005). Orgulhosamente, um dos fundadores da Tottenham Brasil e colaborador do Guerreiro dos Gramados, site voltado a cruzeirenses. Odeia Guardiolismos e acredita que atacante tem que fazer gol. Acredita que todo dia é um 7 a 1 diferente e não há nada de mau nisso. Exímio treinador no Football Manager.

Latest posts by Emerson Araujo (see all)