Atacante vive de…

Gel no cabelo? Macumba? Chutes na torcida? Afastamento? Cobranças de pênalti? Bem, no Tottenham, as opções citadas até fazem algum sentido. Roberto Soldado e Emmanuel Adebayor são os grandes nomes para o ataque dos Spurs. Com histórico de gols na carreira e com idade para serem líderes da equipe, parecem no entanto ter esquecido o caminho das redes. Um pecado mortal para quem compartilha da minha humilde concepção de futebol, onde a obrigação de um atacante é fazer gols. Talvez eu esteja equivocado.

Roberto Soldado. Espanhol, 29 anos, formado nas categorias de base do Real Madrid, onde ficou até 2008. Nunca se firmou nos merengues e foi negociado com o Getafe, onde fez duas temporadas muito boas, contabilizando 33 gols em 66 partidas, uma média de 0,5 gol por jogo, algo excepcional dado o nível do pequeno clube espanhol. O rendimento lhe rendeu uma transferência para o Valencia onde jogou três temporadas e anotou expressivos 82 gols em 141 embates. Além disso, atuou por 12 vezes na seleção de seu país e fez 7 gols.

Essa biografia serviu de referência suficiente para Daniel Levy abrir o bolso e pagar 30 milhões de euros em sua aquisição. Vindo a pedido de André Villas-Boas e com o aval do “competente” Franco Baldini, diretor de futebol. Aí Soldado veio para o Tottenham e em um ano e meio de clube ostenta… 14 gols em 54 partidas. Logo logo, o Goaldado se tornou o Penaldado, tendo marcado 5 dos seus 11 gols da última temporada em cobranças de pênalti. Na atual, nenhum gol originado da marca da cal, já que ele perdeu o único pênalti que cobrou, frente ao Manchester City. A verdade é que o rendimento pífio, aliado a exibições sofríveis faz muita gente perder as esperanças com o espanhol. Difícil hoje é arrumar algum (louco) clube disposto a levar o fracasso embora. Ou você ainda acredita?

Foto: Reprodução/AFP

O outro expoente é Emmanuel Adebayor. Togolês, 30 anos, com 29 gols em 62 partidas por seu país. Saiu muito cedo do Agaza, de Togo, para as divisões de base do Metz, na França. Lá, se profissionalizou na temporada 2001/02 e ficou mais um ano, até atrair os olhares do Monaco, onde ficou duas temporadas e meia, marcando 27 gols em 120 partidas. Mesmo sem números brilhantes, foi levado para o Arsenal a pedido de Arséne Wenger e lá apareceu para o mundo. 62 gols em 142 jogos, aliados à bom futebol e alguma polêmica. Foi para o Manchester City em busca de títulos em uma grande transferência. 45 jogos, 19 gols e brigas com Roberto Mancini depois, foi emprestado ao Real Madrid, onde fez bons jogos (inclusive marcando 2 gols contra o Tottenham, pelas quartas da Liga dos Campeões), mas não agradou Mourinho a lhe comprar em definitivo. 20 jogos, 8 gols e retorno ao Etihad Stadium.

Sem mercado e muito caro, foi adquirido pelo Tottenham por empréstimo para a temporada 2011/12. Com ótimo rendimento e 18 gols em 37 jogos, convenceu Daniel Levy a contratá-lo em definitivo na temporada seguinte. Com ridículos 8 gols em 34 jogos em 2012/13, foi dado como dispensável por AVB, que o afastou na temporada seguinte. O retorno do togolês foi triunfante com Tim Sherwood na temporada passada. 14 gols em 25 jogos, decidindo jogos e se tornando nome indispensável no elenco, o ‘Rei do Togo’ que tanto agradou aos adeptos.

A esperança (Foto: Reprodução/101greatgoals

Em 2014/15, Adeba marcou 2 gols em 12 jogos. Soldado tem 3 em 18 partidas. Cada um tem a ridícula media de um gol a cada seis jogos. O togolês atualmente está em seu país, tentando resolver a bruxaria que sua mãe teria lhe lançado após brigarem no último ano. Soldado continua perdendo caminhões de gols e titular do time. Em meio aos medalhões, surge Harry Kane, cria da base dos Spurs que com 12 gols nas primeiras 21 partidas do ano já desponta como a melhor solução para a linha de frente. A questão é que Kane não rende tão bem jogando sozinho no ataque, por ter um perfil de movimentação.

Qual seria a solução para o ataque? Vender Soldado ou Adeba? Ou os dois? Trazer Bony, Jackson Martinez, Jay Rodriguez… Ou continuar confiando na dupla que não realiza grande temporada? A resposta, Pochettino, Baldini e Levy é que podem dar, mas opinar e conjecturar é o nosso papel. Porque gol que é bom, tá difícil para os nossos “matadores”.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.

Emerson Araujo

Jornalista, aficionado por futebol, torcedor do Cruzeiro (de nascença) e do Tottenham (desde 2005). Orgulhosamente, um dos fundadores da Tottenham Brasil e colaborador do Guerreiro dos Gramados, site voltado a cruzeirenses. Odeia Guardiolismos e acredita que atacante tem que fazer gol. Acredita que todo dia é um 7 a 1 diferente e não há nada de mau nisso. Exímio treinador no Football Manager.

Latest posts by Emerson Araujo (see all)

  • Vinícius

    Tem que dispensar os dois, mandar embora sem receber nada em troca já que ninguém é louco de contratar os cara. Só de não ter que pagar 2 altos salários já é lucro. Pra jogar com o Kane eu preferiria o Bony, mas parece que a diretoria quer o Jackson Martínez, embora tenha que pagar 35 milhões, algo “um pouco” arriscado em um jogador sem experiência em premier league. Parece que ainda não aprenderam! Desde que Baldini chegou só foi dinheiro jogado fora!

    • Caio Pereira

      Ta maluco, liberar os dois de graça, e ainda ter que pagar rescisão? O canelero do Soldado ainda tem mercado, podemos conseguir uns 10 milhões com ele, ja o Adeba, uns 7 taria de bom tamanho, com essa grana contrata o Huntelaar que ta em fim de contrato e viria bem barato, e um outro mais jovem, pra fazer sombra, mas que não seja muito caro.

      • Vinícius

        Rescisão amigável, nunca ouviu falar n?o? Ou acha que o Soldado e o Adeba vão querer serem reservas pra sempre no Tottenham? acho que eles não dificultariam a saída deles, mas se tiver comprador melhor ainda, só acho difícil alguém está interessado neles

  • COntratação é o caminho sempre. Quem discorda que precisamos de atacantes irá mudar de ideia caso nosso “messias” se machuque. Sou a favor do uso do mesmo como um falso 9, tendo liberdade para andar entre as duas linhas (de zagueiros e volantes) e liberar a criação com Eriksen, lamela (lennon) e chadli. COm velocidade e técnica no toque de bola poderiamos ter um time dinamico, claro que para isso, a melhor valorização de paulinho e dembele ajudaria. Um bom atacante não existe so por sorte mas por quem o serve. Temos Eriksen e talvez lennon pelas pontas. Mason e bentaleb nao rola né gente!!!Bom pra marcar mas com a bola é uma desgraça!

  • Lucas Muniz

    Em minha opinião, a contratação do Soldado foi o pior negócio que o tottenham fez desde à época que eu torço para o Spurs, e olha que eu sou Spurs já faz tempo hein… Pelo amor de Deus, estamos dependendo de jogadores incapacitados, assim não dá