Com gol nos acréscimos, Tottenham bate o West Ham no retorno da Premier League

Voltou a Premier League, voltou o sofrimento, voltou a emoção.

No Upton Park, o clássico entre Hammers e Spurs marcou a estréia das duas equipes na competição. Ambos os times com reforços e mudanças mas ainda sem esquemas completamente definidos e elencos abertos.

Mauricio Pochettino escalou o time de uma forma diferente do esperado, sem jogadores importantes como o recém-contratado Ben Davies e os ainda não recuperados de lesão, Vertonghen e Sandro.

Do outro lado, Cresswell e Kouyaté fizeram sua estreia sob o comando de Sam Allardyce, mas a base do time com Noble, Nolan e Downing seguiu a mesma.

Pochettino passa instruções ao volante Capoue, que impressionou pela versatilidade e segurança

Nos primeiros quinze minutos de partida, o domínio do Tottenham foi extraordinário; Capoue dominou o meio de campo e Bentaleb armou o jogo com propriedade enquanto Lamela chamava a responsabilidade e Adebayor prendia bem a bola na frente. A linha de frente com Eriksen na direita, Lamela centralizado atrás de Adebayor e Lennon na esquerda parecia fluir bem com o apoio dos dois volantes. A posse de bola chegou a bater os 70% para o lado dos Spurs. Mas logo o ritmo caiu. O time começou a errar passes e o West Ham se pôs à frente, dando trabalho principalmente com Downing pela direita.

Entre as jogadas de pressão dos Hammers, em uma bola que sobrou perto da pequena área, Collins chutou para o gol e Naughton defendeu – mas Naughton não é goleiro. Pênalti marcado para o time da casa e cartão vermelho para o jogador dos Spurs. Batendo a penalidade, Mark Noble conseguiu deslocar Lloris com a perna direita e colocou a bola no canto oposto, mas para fora da meta, tirando tinta da trave.

Lamela, que fez boa partida, domina a bola diante do atacante Vaz Te

Depois de perder o pênalti, o West Ham seguiu martelando sem sucesso – tecnicamente fraco mas taticamente aplicado, o time da casa envolveu o cansado e desfalcado Tottenham, que se fechou com 10 jogadores atrás da linha da bola até o apito que determinou o final da etapa. O estreante Dier, que já fazia ótima partida, foi deslocado para a lateral direita. Capoue virou zagueiro ao lado de Kaboul.

No segundo tempo – sem mudanças para nenhum dos lados -, os Spurs voltaram a se impor. O esquema mudou graças à expulsão de Naughton, se desenhando na frente com Eriksen e Bentaleb centralizados, Lamela na direita (caindo atrás de Adebayor e sendo coberto por Dier) e Lennon na esquerda, mas não deu resultado.

Aos 15′ da segunda etapa, Pochettino trocou Lennon por Townsend (para dar mais dinâmica ao ataque) e Lamela, que fazia boa partida, por Holtby (para se juntar a Bentaleb na faixa central e liberar Eriksen para frente). Mudanças providenciais para que os Spurs se lançassem ainda mais mais à frente.

Aos 20′, Collins cometeu falta perigosa na entrada da área e acabou expulso, nivelando o número de jogadores em ambas as equipes. Antes de Eriksen correr para a bola, um torcedor invadiu o gramado e bateu a falta em seu lugar – até chegou a acertar o gol, coisa que Eriksen, em partida apagada, não conseguiu fazer.

Até o final da partida, o duelo tático entre os dois treinadores se intensificava à medida que os nervos dos jogadores em campo também esquentavam. O jogo estava completamente aberto e as duas equipes criavam chances de gol, sem acertar aquele fatídico último passe. A posse de bola, porém, voltou a pender para o lado azul e branco, chegando a bater 65%.

Townsend e Holtby entraram muito bem e fizeram ótimo impacto em campo – o winger inglês foi com força à frente e chutou bastante ao gol, com muito perigo mas sem sucesso, enquanto o alemão conseguiu organizar o meio de campo e abrir a defesa dos Hammers. No final da partida, Harry Kane entrou no lugar de Adebayor na esperança de conseguir tirar o zero do placar, mas nada parecia dar certo para nenhum dos lados.

Nos acréscimos, quando o empate já parecia conformar os dois times, o Tottenham veio com a bola dominada no meio de campo e a bola chegou nos pés de Kane. O atacante deu uma de armador e encontrou o estreante Dier se deslocando entre a zaga adversária. O zagueiro, que jogou improvisado na lateral direita e mais pareceu um meia nos últimos minutos, recebeu o passe refinado e ficou cara a cara com Adrian. Com frieza e inteligência, Dier adiantou a bola, tirou o goleiro da jogada e bateu rasteiro para marcar o gol da vitória.

Depois de perder as três partidas disputadas contra o West Ham na temporada passada, o Tottenham vence o primeiro jogo – o primeiro clássico – e conquista os primeiros três pontos na Premier League.

O próximo compromisso dos Spurs na competição é dia 24, em casa, contra o QPR. Antes disso, quarta-feira, o Tottenham visita o AEL Limassol pela Europa League no Chipre.

 

ESTATÍSTICAS

 

Tottenham (4-5-1) – Lloris; Naughton, Dier, Kaboul, Rose; Bentaleb, Capoue; Lennon (Townsend, 60′), Eriksen, Lamela (Holtby, 60′); Adebayor (Kane, 82′).

Não utilizados: Friedel, Davies, Dawson e Soldado.

West Ham (4-3-3) – Adrian; O’Brien (Demel, 61′), Reid, Collins, Cresswell; Nolan, Noble, Kouyate; Downing, Cole (Valencia, 80′), Vaz Te (Diame, 67′).

Não utilizados: Jaaskelainen, Zarate, Poyet e Burke.

Gol: Dier, 92′ (TOT)

Cartões amarelos: Collins (2) e Kouyaté (WHU)

Cartões vermelhos: Naughton (TOT); Collins (dois amarelos) (WHU)

Público: 34,977

Árbitro: Chris Foy

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.
  • Thiago Vanio

    o time nao jogo muito bem, mais que estreia do Dier!

    • Márcio Assunção

      Os Spurs foram prejudicados pela expulsão injusta de Naughton no primeiro tempo.
      Se não fosse por isso, seriam pelo menos 2 a zero, tranquilamente.
      Agora, Lennon não reúne condições tecnicas de ser titular.
      Eriksen centralizado e Lamela como segundo atacante rendem muito mais.

  • Fernando Braz

    eu acho que jogou bem, foi prejudicado demais pela expulsão, injusta na minha opniao, mas mesmo com um a menos conseguiu segurar bem o time da casa o que nao e fácil. quando ficou 10 contra 10 mostrou o que seria o jogo se nao tivesse ficado tanto tempo com um a menos.

  • Lucas Colenghi

    Simples, a expulsão condicionou demais o jogo do Tottenham. Não dá para jogar na mesma marcação pressão e no toque de bola estando com um homem a menos. Os Spurs tiveram um bom começo no jogo, mostrando a filosofia do Pochettino, mas o Chris Foy não curte nosso time. No 10 a 10 a equipe equilibrou e foi superior ao West Ham. De ruim mesmo, Kaboul e Rose, principalmente o Kaboul. Rose fez o Downing parecer o Garrincha, mas foi melhorando no jogo aos poucos. Já o Kaboul foi péssimo, horrível, ridículo… e isso não é de hoje. Dier estreou bem demais, tem tudo para ser uma aposta acertada no decorrer da temporada. Mas é isso aí, começamos com a vitória e isso já conta muito. COYS

  • Vinícius

    Deixe de criticar o Rose, agora é uma nova temporada. Ele não jogou mal nem nesse jogo nem no jogo contra o Shalke, vamos dá moral pra ele, o nosso camisa 3 está melhorando. Quem jogou mal mesmo foi o Caboom e o Lennon. Tá na hora de Poch escalar Vertonghen e o Towsend (em 30 minutos fez mais que o Lennon o jogo inteiro). E pra finalizar que partida de Dier, joga melhor que Dawson e Kaboul juntos. Ah e parabéns pessoal do tottenham brasil por fazer ótimo resumo da partida (bem melhor que qualquer outro site) e pela quantidade e qualidade de conteúdo na pré temporada.

  • Thiago Vanio

    eu to gostando mt do Rose, nos ultimo jogos vem jogando muito bem!!