Cadê o respeito?

“Brasileiro não tem o menor respeito pelos seus ídolos”. Essa frase com certeza já foi muito ouvida e propagada por alguém que você conheça. E até mesmo por você. A verdade é que os ídolos em nosso país são alçados a essa condição com muita facilidade. Qualquer um vira ídolo por um feito de destaque. Quando na acepção da palavra, talvez fosse necessário bem mais que isso para justificar tal alcunha.

Em outras culturas, as pessoas não vêem dessa forma. Ainda bem. Um ídolo é aquele que se bota a prova, faz o possível e o impossível por uma causa. No caso do futebol, por sua instituição. Alguém que notoriamente se desdobrou e conquistou algum sucesso. Alguma marca expressiva. Não reconhecer isso, não é só ingratidão. Cheira a imbecilidade.

Foto: Reprodução / mirror
Foto: Reprodução / mirror

Toda essa ladainha acima é para lembrar um cara em específico. Jermain Colin Defoe, que na última segunda feira (07) completou 31 anos de vida. Desses 31, aproximadamente um terço deles se mistura com a história do Tottenham Hotspur, seu clube atual. Defoe é uma das verdadeiras lendas desse clube e é devidamente reverenciado como um grande jogador em seu país natal. É um ídolo do Tottenham para a torcida do Tottenham. Aquela efetiva, verdadeira, que vai ao estádio, compra camisa, pega autógrafo, apoia. Resumindo, a torcida.

Torcer não é ser revoltadinho de internet, que pegou o time no videogame e já acha saber tudo de sua história e escalação. E por mais que cada um se enquadre na pobre definição de “guerreiro dos teclados”, devemos antes de xingar quem escreve essa matéria, fazer um exame de consciência. Sou justo com os meus ídolos? Considero corretamente quem é ou não um ídolo? Esse julgamento muitas vezes é pessoal e tantas outras vezes, mal feito.

Defoe não é ídolo de muitos torcedores brasileiros dos Spurs. Muitos chegam a dizer que é um jogador fraco, que não cabe no elenco atual. Uma pequena dose de números será meu único argumento nesse texto. O camisa 18 é o quinto maior artilheiro da história do clube. Em 131 anos de vida, é o quinto homem que mais encaçapou tentos na casinha inimiga. 140 gols em 345 jogos. Desses 140, 21 foram feitos em competições continentais (Champions League e Liga Europa). O que o torna o segundo maior artilheiro do clube nesse tipo de competição, 1 tento atrás de Martin Chivers. Nada mal para quem veio como uma promessa do West Ham, foi vendido como desnecessário para o Portsmouth e recontratado um ano depois quando Daniel Levy enxergou o tamanho do equívoco cometido.

Na chegada, em janeiro de 2004. Todo meninão (Foto: Reprodução / dailymail)
Na chegada, em janeiro de 2004. Todo meninão (Foto: Reprodução / dailymail)

Uma história mais do que consolidada pelo clube, dez temporadas, muitos gols, Copa do Mundo na bagagem… Tudo isso deveria ser munição suficiente para uma certa idolatria. Mas isso não pode ser cobrado, é uma capacidade inata que nem todos os pseudo-pensantes possuem. Mas respeito é obrigação. Não é questão de gostar ou não da pessoa, do estilo, achar bonito. É respeitar a história do clube e daqueles que a fizeram com seu esforço. Parabéns a Defoe por seus feitos e pelo que significou para nosso clube nessa última década. Quanto a nós, brasileiros, vamos rever conceitos. Antes que seja tarde demais.

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.

Emerson Araujo

Jornalista, aficionado por futebol, torcedor do Cruzeiro (de nascença) e do Tottenham (desde 2005). Orgulhosamente, um dos fundadores da Tottenham Brasil e colaborador do Guerreiro dos Gramados, site voltado a cruzeirenses. Odeia Guardiolismos e acredita que atacante tem que fazer gol. Acredita que todo dia é um 7 a 1 diferente e não há nada de mau nisso. Exímio treinador no Football Manager.

Latest posts by Emerson Araujo (see all)

  • Robson Brôy

    Parabéns pelo seu texto políticamente correto Emerson, mas ídolo cada um tem o seu.
    Você tem o direito de achar um jogador inútil e mediano ídolo, mas eu tenho o direito de não achar.
    Não respeito o Defoe porque ele nunca fez nada demais por esse clube, e no tempo que ele esteve presente, sempre foi coadjuvante, seja pra Keane, Berbatov, Crouch (sim, pro Crouch), Van Der Vaart, Adebayor e agora pro Soldado.
    Pra quem o tem como ídolo, divirta-se e aproveite o pouco tempo que resta de Defoe no Tottenham, pois em um time que pensa grande, e que deseja crescer, jogadores como esse não tem muito futuro.

  • Pedro Reinert

    Perfeito, amigo. Defoe já tinha seu cantinho no Hall da Fama do Spurs Lodge e agora seu rosto é parte de um enorme painel do majestoso Hotspur Way. É realmente bem triste ver os torcedores de internet o criticando e o desrespeitando. Apesar da idolatria, não acho que ele esteja apresentando um futebol bom o bastante pra se encaixar nesse time titular – como deu pra reparar no jogo contra o West Ham, onde ele tava visivelmente perdido no meio da correria -, mas não há dúvidas de que ele é nossa arma nas competições paralelas (Copas nacionais e Liga Europa), sempre à disposição fazendo com que o ataque não perca a força.

  • Sandro Cesar

    Ótimo texto! Defoe é ídolo por tudo que fez, e ainda faz vestindo e honrado nossa camisa. Os números também provam isso. Parabéns! Go Spurs!

  • Fernando Mattos

    Concordo com o texto. Defoe é um ídolo dos Spurs e não concordar com isso é não querer enxergar o óbvio!

  • betao

    Na época tinha ficado muito feliz quando ele voltou. O Berbatov poderia ter feito o mesmo, por onde ele anda mesmo????

  • André Christofoletti

    Não é preciso ser um ídolo para se ter respeito, basta ser um semelhante, um igual, um ser humano já se deve te respeito. E nem vou entrar na questão de respeito aos animais e plantas.
    A questão é simples. Vejo o L. Fabiano no SPFC. Ídolo, grande artilheiro, deve ter uns 6 ou 7 anos de clube… Mas ele faz mau ao SPFC? Sim, faz. Então fora. Defoe faz mau ao Tottenham? Não, ao contrário, agrega, pois ele dá o descanso que o Soldado tanto precisa. Perfeito, então continua. Não devemos esperar que o Defoe seja um Rooney porque ele não é. Devemos esperar que cumpra com o seu papel que vem cumprindo muito bem e dando alegrias a nossa torcida, como o faz por mais de uma década.

  • Lucas Colenghi

    Eu sou um dos que mais corneta o Defoe, mas isso se deve muito ao desempenho recente dele pelo clube sendo que vi ele render mais em sua carreira e acho que ele poderia continuar rendendo mesmo que já tenha 31 anos. Claro que o 4-2-3-1 do AVB não ajuda o Jermaine, até porque ele não é propriamente um centroavante, mas um segundo atacante, um homem de velocidade. O Tottenham é um time de enorme história, mas que não era muito conhecido no Brasil e como muitos torcedores são recentes e acompanharam mais a fase ruim do Defoe do que a fase boa pode fazê-los pensar que ele é apenas um jogador mediano, que está fora do padrão do time mediante as contratações feitas. Jermaine Defoe é um jogador importante do nosso clube, que agrega ao time, uma boa opção de banco, mas tem sido muito sacrificado pela maneira do time jogar já há uns 3 anos.