Barclays Asia Trophy – Valeu a pena?

O Tottenham encerrou hoje sua passagem por Hong Kong e consequente participação no Barclays Asia Trophy, torneio realizado pela organização da Premier League como forma integrante da pré temporada dos clubes. Já uma tradição nos últimos anos, na atual temporada o pequeno certame contou com a participação de Tottenham, Manchester City, Sunderland e South China – o campeão local.

Na primeira partida, derrota de virada para o Sunderland, por 3×1. Sigurdsson anotou o gol dos Spurs, enquanto Cabral, Wes Brown e Karlsson marcaram os tentos que deram a vitória e consequente vaga na final para os comandados de Paolo di Canio. Porém, nossa grande derrota não vem do placar, mas da perda do zagueiro Vertonghen, que se lesionou ao pisar de mal jeito no péssimo gramado do Estadio Hong Kong. O belga, principal nome da defesa Lilywhite, ficará afastado dos gramados por um mês, perdendo o restante da pré temporada e o início da Premier League.

Foto: Reprodução/dailymail

Do outro lado, o Manchester City bateu o South China pelo placar mínimo, graças ao gol de Dzeko. E assim se desenharam os confrontos de hoje. Tottenham x South China numa ‘preliminar’ da final. Com uma atuação tranquila, sem riscos e com boa produtividade, os Spurs aplicaram um contundente 6×0 em seu inocente adversário. O primeiro gol saiu aos 13 minutos,  vindo de cruzamento de Danny Rose, que o zagueiro Tse cortou mal e marcou contra. Dempsey fez o segundo, com assistência de Defoe aos 34′. JD, por sua vez, anotou um hat-trick aos 44′, 54′ e 80 minutos, sendo assim o grande nome do jogo. Townsend, batendo falta, fechou o placar aos 87 minutos.

A utilização de reservas e jovens foi bem interessante nesses dois jogos. Jogadores como Fryers, Carroll e Townsend parecem ter aproveitado bem a chance de se mostrarem a Andre Villas Boas.

Uma avaliação do elenco mostra uma carência forte em uma grande opção para o comando de ataque. No gol, Gomes e Friedel se revezaram no primeiro jogo, sem nenhum destaque. No último jogo, Lloris tomou conta da camisa titular – que é sua de fato e direito – e foi absolutamente seguro. Pelas laterais, Danny Rose, voltando do empréstimo ao Sunderland, parece ter boas perspectivas de tomar a posição de um eternamente claudicante Assou-Ekotto. Walker absoluto na direita, com a suplência de Naughton. No miolo de zaga, Dawson e Vertonghen são os titulares. Caulker fez um bom torneio e será o substituto até que o belga esteja apto. Kaboul e Fryers são as outras opções para eventualidades. Nada de alarmante até então.

Foto: Reprodução/dailymail

No meio, boas opções. Parker, Sandro, Dembelé, Paulinho, Holtby, Huddlestone, Livermore e Carroll disputam três vagas. Os últimos dois em desvantagem pela juventude, enquanto Huddlestone ainda pode ser negociado. Um setor bem preenchido. Mais a frente, o treinador português pretende usar três jogadores. Um deles é Gareth Bale, a menos que o Real Madrid resolva quebrar o porquinho e fazer uma investida realmente assombrosa. Lennon, Dempsey, Chadli e Townsend são candidatos as pontas. No comando, Defoe ou Adebayor. A grande atuação do camisa 18 hoje, mostra que ele talvez seja uma boa alternativa pra se deslocar um pouco mais no campo, enquanto um camisa 9 ainda se faz necessário. Dzeko? Soldado? Enfim, precisamos de alguém de peso. É a grande carência do setor.

O balanço final, não é negativo. Uma derrota para o Sunderland nunca será fácil de digerir, porque é um time alguns degraus abaixo do nosso. Porém as condições de gramado e o fato da pré temporada não permitem levar isso a um grau preocupante. A vitória sobre o South China dá uma moral a mais para a sequência. Porém a perda de Vertonghen faz tudo ficar um pouco nebuloso. O grande nome da defesa se lesionar em um chiqueiro deixou a comissão técnica e a torcida revoltadas. Logo num torneio organizado pela Premier League, que sempre foi referência em qualidade técnica e bastidores para um grande espetáculo. Vida que segue, elenco que se ajusta e esperamos um matador, para realizarmos então uma grande temporada. Que nos leve de volta a Champions League e ainda mais importante: aos títulos.

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someonePrint this pagePin on Pinterest
The following two tabs change content below.

Emerson Araujo

Jornalista, aficionado por futebol, torcedor do Cruzeiro (de nascença) e do Tottenham (desde 2005). Orgulhosamente, um dos fundadores da Tottenham Brasil e colaborador do Guerreiro dos Gramados, site voltado a cruzeirenses. Odeia Guardiolismos e acredita que atacante tem que fazer gol. Acredita que todo dia é um 7 a 1 diferente e não há nada de mau nisso. Exímio treinador no Football Manager.

Latest posts by Emerson Araujo (see all)

  • Assisti os primeiros jogos do torneio in loco no estádio. O problema de lá é que choveu muito na quarta-feira, caiu um pé de água o dia inteiro. Antes da bola rolar havia um temporal, que o campo simplesmente não conseguiu aguentar e começou a virar um lamaçal. Atrasaram o início do jogo, reduziram os tempos a 40 minutos e vida que segue, mas realmente as condições não eram ideais.

    Só discordo de dois pontos. Primeiro: no jogo contra o Sunderland, o Friedel se destacou muito! Fez boas defesas, sendo uma delas absolutamente espetacular, tirando uma cabeça que ia morrer no ângulo do seu gol. Escrevi no meu blog um pouco sobre o jogo.

    Segundo lugar, o saldo para mim não é muito positivo. Tivemos a enorme perda do Jan, melhor jogador de defesa. No jogo contra o Sunderland, fomos mal e abusamos dos chutões. O campo estava bastante encharcado, mas a bola não parava em poças, então não há desculpa para a péssima estratégia colocada em campo naquele jogo. O 6×0 de hoje, bem, não há muito o que falar pela fragilidade do adversário. O City havia metido apenas 1×0 neles mas com o freio de mão bem puxado, qualquer um que jogasse com um pouco de determinação destroçaria este time quase amador do South China.